A performance profissional de um músico obriga a elevados níveis de compromisso e exigência física e mental.

As elevadas horas de prática com o instrumento ou a cantar, individualmente ou em grupo, as posturas associadas, as exigências neuro-motora específicas de cada instrumento, levam a elevados níveis de sobrecarga nas estruturas neuro-musculo-esqueléticas, potencializando a ocorrência de lesão e/ou disfunção, afetando grandemente a performance do artista.

São determinantes para o sucesso de um músico, elevados níveis de precisão e controlo neuro-motor, coordenação, força e resistência, quer nos movimentos mais finos, quer nos movimentos mais grosseiros, numa base postural dinamicamente estável e optimizadora da tarefa e sempre aliados à técnica específica do instrumento.

Desta forma, o trabalho do corpo, ao nível da sua melhor consciencialização, do seu domínio, estão na base de melhores níveis de inter-relação corpo-instrumento.

A Fisioterapia, associada a outras áreas de intervenção, Osteopatia, Psicologia, Pilates, Naturopatia, etc., permitem potencializar esta relação, assim como, na prevenção e tratamento de lesão.

É fundamental a intervenção direcionada para as exigências específicas destes profissionais. Na EstadoFisio, procuramos ir ao encontro do problema de cada músico, na sua individualidade e especificidade profissional.

Quais os problemas mais comummente desenvolvidos pelos músicos?

Predominam as lesões por sobrecarga/microtraumatismos de repetição
– Tendinopatias/tendinites (com predomínio nos membros superiores);
– Síndrome de dor miofascial/contratura muscular
– Processos de osteoartrose (com predomínio na coluna e membros superiores)
– Alterações posturais, cervicalgia, lombalgia, quistos sinoviais
– Distúrbio da articulação temporomandibular
– Problemas da embocadura ou de outros músculos da face
– Síndrome do túnel cárpico
– Conflito sub-acromial
– entre outros

O que dizem os nossos utentes

Miguel RochaVioloncelista. Professor Universitário.
É raríssimo encontrar fisioterapeutas que curem os problemas dos músicos. Por experiência, da minha carreira de cerca de 50 anos, consigo dar um enorme valor à EstadoFisio, pela elevada qualidade dos tratamentos, pelo grau de empenhamento e pelos resultados fantásticos de todos aqueles que recorreram aos seus tratamentos.
Adriano AguiarContrabaixista. Orq. Sinf. Portuguesa.
Cabe aqui uma palavra de agradecimento a todos os fisioterapeutas da EstadoFísio que têm lidado comigo, acrescentando um agradecimento especial à fisioterapeuta Raquel Santos, que me tem acompanhado nos últimos anos. Mantenho uma frequência de tratamento preventiva, que vai sendo adaptada ao meu estado físico e que tem também permitido detetar e tratar outras situações dentro desta área.
Natasa SíbilacCantora lírica. Professora de canto.
Ao longo de minha atividade profissional recorri à fisioterapia em várias ocasiões. Considero a manipulação neuro-muscular importante e às vezes indispensável nas fases de trabalho intenso, nas alturas de grande stress ou, às vezes, como tratamento necessário e complementar junto dos alunos que tentam ultrapassar bloqueios e limitações provenientes da postura corporal incorreta.